Notícias

Vinte de novembro é uma data que carrega muita história e a luta do povo negro, e é nesse dia que celebramos a Consciência Negra. Essa data especial é feriado em centenas  de municípios brasileiros e representa a luta dos negros por seus direitos. O dia foi escolhido em memória de Zumbi, líder do Quilombo dos Palmares, morto em 1695. Então, além de celebrarmos a luta da consciência afro-brasileira, também relembramos o ícone da resistência na escravidão! E nós do Colégio Pio XII preparamos uma cerimônia incrível para celebrar a Consciência Negra, na última sexta-feira (29/11).

Na parte da manhã, organizado pelo Professor de Ed. Física Robson Mauro, ocorreram diversas apresentações de alunos e convidados para representar as dificuldades, injustiças e preconceitos que ocorriam e ainda ocorrem com o povo negro. E também, as diversas e belíssimas heranças culturais trazidas pelos povos africanos na época da escravidão.

Na abertura tivemos uma apresentação musical incrível do cantor e compositor Jr. Boca, com amplo repertório de reggae, rock e música pop. Logo após, os alunos da 3ª série do Ensino Médio, orientados pelo Professor Francismar Cunha, trouxeram diversos dados geográficos da população negra, mostrando os índices de desigualdade. Contamos também com o Professor de História, Tarcísio Neves, juntamente com o aluno do 7° ano, Luiz Henrique, que recitaram um poema, mostrando-nos o conceito histórico em torno da escravidão e a luta do povo negro.

Além disso, tivemos uma apresentação de dança de matriz africana com os alunos da 1ª e 2ª séries do Ensino Médio. Na dança, também tivemos uma apresentação espetacular de Maculelê, uma dança folclórica brasileira de origem afro-brasileira e indígena, organizada pela Professora de Capoeira Ludmila Gramelisch, juntamente com os alunos do 6° ano a 2ª série do Ensino Médio.

O Psicólogo formado pela Universidade Federal do Espírito Santo (UFES) e portador de deficiência visual, Carlos Alexandre, nos deu uma palavra incrível sobre as dificuldades de ser negro e cego na vida e no mercado de trabalho.

O Professor Robson juntamente com sua esposa, Layne, encerraram a cerimônia com um poema sobre tempo “Banco da Vida”, relembrando à importância de darmos valor às pessoas que amamos. E logo após tivemos um verdadeiro banquete delicioso preparado pela Tia Layne, uma feijoada bem caprichada que fez o almoço de muita gente!

Na parte da tarde, os alunos do Ensino Fundamental I também puderam contemplar uma tarde cheia de cultura, aprendizado e conhecimento. O momento começou na hora do recreio, novamente com o músico Jr. Boca, que contemplou a todos com um excelente repertório musical ligado às tradições africanas.

O momento cultural começou com a pedagoga Elizabeth Leal introduzindo as turmas do 2º ano que, orientados pelas professoras Thays Guijansque e Ivaneide Oliveira, apresentaram a música Xote Alfabetizado. A homenagem foi pelo dia 14, Dia Nacional da Alfabetização.

Em seguida, o professor Robson Mauro apresentou a pedagoga Márcia, que também é presidente do Movimento Negro no Espírito Santo, compartilhou um momento muito importante. Ela contou a história de toda a escravidão no Brasil, e como foi a libertação dos povos africanos através das leis criadas. Contou também sobre a história do Zumbi dos Palmares, importante figura nacional.

Para finalizar, os alunos participaram de diversas oficinas, como de tranças, turbante e capoeira. Essas atividades foram essenciais para a compreensão da necessidade da valorização das tradições africanas no país, tirando a invisibilidade e preconceito existente. Ao final, um desfile foi organizado com todos os turbantes feitos na oficina.